Críticas, Séries

Desventuras em Série – É melhor não olhar…Sério, estou avisando…

Desventuras em Série – É melhor não olhar…Sério, estou avisando…

“Se você estiver interessado em historias com finais felizes, elas estarão passando em outro lugar. Sugiro que meus leitores assistam algo mais agradável. Sério, estou avisando… É melhor não olhar.

Se mesmo depois de todos os avisos dados pela Netflix, por mim ou por qualquer outra pessoa sensata, você ainda deseja ver a estas terríveis desventuras dos órfãos Baudelaire, vamos a uma rápida sinopse dada pelo seu próprio narrador…

Há uma grande possibilidade de você ter visto o filme de 2004 estrelado por Jim Carrey, como ele e essa nova série produzida pela Netflix são obras baseadas no mesmo lugar, os 13 livros escritos por Daniel Handler sob o pseudonimo de Lemony Snicket, que compõem as “Desventuras em Série”, a comparação entre ambas é Inevitável, (Inevitável quer dizer, que ou o que não se pode evitar, impedir.)

O filme que teve sua estréia em 2004 foi um resumo de 4 livros em apenas duas horas, já a série produzida pela Netflix foi possivel dividir 1 livro a cada dois episódios, tendo assim em 8 episódios, o resumo de 4 livros. Mas não é um simples resumo, esse tempo que há para exibição de cada episódio, as nuances e tons dos livros foram transportados para a tela com excepcional sucesso.

Se você começar a assistir essa série esperando ver o mesmo tom do filme, você vai ter uma surpresa, pois o filme mais parece uma daquelas comédias estreladas por Jim Carrey mas com uma pitada de obscuridade (Obscuridade quer dizer: ausência de luz; estado do que é obscuro; escuridão.).

 

Em Desventuras em Série da Netflix, eu notei que a comédia é muito mais sútil, não deixando o humor totalmente para as ações do Conde Olaf mas sim para as nuances das cenas presentes no roteiro,  aonde depende-se muito mais dos atores em conjunto do que apenas para um.

Aliás, falando em atores, Malina Weissman(Violet Baudelaire) e Louis Hynes(Klaus Baudelaire), dão um show de atuação interpretando seus personagens dentro da historia e do universo onde se passa Desventuras em Série, um mundo mais caricato e literário. Claro que não podemos esquecer de Presley Smith(Sunny Baudelaire) que sabe ser a personagem mais fofa nesta série. Por ultimo mas não menos importante, não menos mesmo, ele é o causador de todas essas terríveis desventuras dos órfãos Baudelaire, Neil Patrick Haris (Conde Olaf (Stephano,Capitão Sham, Secretária Shirley)) que conseguiu desvencilhar a imagem do Conde Olaf de Jim Carrey, deixando ele mais sombrio e verdadeiramente mau (Mau quer dizer: dado a fazer maldades; que se compraz com o mal praticado.)

Eu avisei.

Posted by Desventuras em Série on Sunday, January 15, 2017

Agora sem nenhum prévio aviso, alerta, comunicado, recado, nota, informe, anúncio, etc e etc e mais etc, falarei sobre o final desta temporada. Talvez não seja bem uma opinião, ponto de vista, posição, convicção, crença, ideia, teoria, tese, arbítrio, conceito ou concepção. Acho que o paragrafo que está lendo mesmo eu dizendo que não iria dar nenhum aviso, se trate um aviso.

Pois o final desta temporada…É melhor não olhar (Olhar quer dizer: dirigir os olhos para; mirar(-se), fitar(-se).)

dhannilol

Leitor de HQs e mangás, colecionador de Action Figures, amante da cultura gamer, fotógrafo amador e aspirante a programador.

Comente este post com seu Facebook

Written by in